domingo, 21 de junho de 2009

Como me sinto aqui ou acolá...

A vida é boa se a gente pensa que é verdade.
Sou uma fada enganada por gnomos amigos.
Sou protegida de algum anjo ou coisa que tal.
Acordo rindo, não sei do que.
Tenho 24 horas de vida contadas no relógio humano,
mas me sinto tão criança que parece que nasci ontem...

Viva a vida!
Bem haja!

Joice Worm

9 comentários:

Pelos caminhos da vida. disse...

Qto tempo em Joyce?

Estive ausente,agora de volta visitando aos poucos os amigos.

Tem selinho la pra vc.

beijooo.

Sam disse...

Sentir-se criança é a melhor sensação que há. Liberdade, inocência, sinceridade. Nós crescemos e esquecemos do que éramos. Com adulto é bobo, não?

beijos

Joice Worm disse...

Caminhos,
Uma beijoka para ti também, linda.
Vou buscar o selinhos, mas guardo comigo no computador. Já não ponho no Blog. Estava muito carregado e preferi guardar juntos com os outros. De qualquer forma obrigaduuuuuu...

Sam,
Tem gente que comenta comigo que não sabe como sou tão feliz neste emaranhado de coisas que acontecem na vida. E eu nunca sei explicar. Li em um livro que pode ser por não ter amígdalas... (risos). Pode?

Antonio saramago disse...

REALMENTE ÉS ÚNICA!
BEM HAJAS...

Joice Worm disse...

Oi António,
E tu que andas aí, nem percebes as visitas que lhe faço. Vou como uma duenda fantástica a voar sobre seu blog e outros que tanto gosto. Não deixo comentário, mas saiu saciada da minha sede de boas palavras.
Um beijo grande para ti, amigo meu.

Rosemari disse...

Joice

Como é bom ler você amiga.
Tem horas que te lendo viro criança e em outros momentos você me faz ser adulta pra valer.

beijos

LOURO disse...

Querida amiga Joice:

Lindo texto!!!
Como é bom sentirmos-nos crianças...

Beijinhos de amizade

Lourenço

Sol da meia noite disse...

É sempre tão bom ler o que aqui escreves :-)

Tudo de bom, querida.


Beijinho *

No Limite do Oceano disse...

Fizeste-me rir com a parte da fada enganada por gnomos amigos. Nem tenho assim muita vontade para isso mas conseguiste sem quereres um sorriso, não do tamanho do mundo mas da paz interior que procuro :-)

Beijos,
Carlos