sexta-feira, 18 de maio de 2007

Momentos

Um dia um homem pensou em se matar. Pensou em procurar um amigo, mas não o fez. Pensou em fazer uma viagem para arejar as idéias, mas não o fez. Pensou em procurar um médico, mas não o fez. Pensou em muitas formas de não dar cabo de sua vida, porque não encontrava solução para ela, mas nada do que imaginava dava realmente certo.
Arquitectou a sua retirada desta realidade em que vivia e seguiu em direcção a uma ponte pouco trafegada, mas não muito isolada. No fundo ele queria ser salvo por alguém, mas não acreditava que alguém pudesse lhe persuadir as idéias.
Seguiu no seu carro, muito devagar até o local pretendido. Quando entrou na parte recta da estrada, acelerou de forma que chegasse ao máximo de perigo. E quando já havia atingido os 130 kms/h, viu um vulto passar pela estrada e ele travou quase bruscamente. Derrapou de um lado para o outro, sem colocar os pés no travão, mas deixando apenas de acelerar para controlar o carro. Quando estava outra vez na estrada, e já com 40 Kms/h, uma mulher atravessou a estrada a pé e de olhos fechados. O homem assustou-se e travou antes de lhe tocar no corpo. Ficou paralisado a olhar a mulher que continuava parada em frente ao seu carro, ainda com os olhos fechados.
Ele saiu do carro e perguntou à senhora se ela estava bem e ela perguntou, «estou morta?». Ele ficou muito espantado e disse-lhe que não, «você está viva minha senhora. O meu carro nem chegou a tocá-la». Então ela abriu os olhos lentamente e ele pode ver que seus lindos olhos azuis ainda estavam húmidos e vermelhos de tanto chorar...
Após uns segundos de silêncio, ela disse-lhe que queria morrer por não ter ninguém na vida que lhe sentisse a falta. E ele disse-lhe então...
«Se a senhora morresse agora, eu jamais iria esquecer o que fiz e jamais me perdoaria por ter morto este olhar...»
Ele pegou nas suas mãos e perguntou se ela queria seguir vivendo com ele, pois eles tinham muito o que falar um para o outro. E como um pequeno milagre, ambos deixaram escapar um largo sorriso enquanto os seus corações batiam fortemente.
Ela aceitou!

1 comentário:

Márcia disse...

Amiga!!!!!!!!!!!!que história linda...me lembra alguma coisa...será coicidencia...Essa é a realidade pura de um possivel suicida....mas vc viu como Deus faz...coicidencia demais...Tomara que ELE aceite...rsrsrs