sábado, 19 de maio de 2007

Uma família de passarinhos

Haviam 3 passarinhos no ninho. Estavam todos com fome e a espera da mãe chegar com alimento. O ninho não era muito grande e os gravetos que os pais tinham encontrado para construí-lo não eram muito maleáveis e por causa da pressa, também não ficou muito bem feito. Infelizmente depois que tinham acabado de fazer o primeiro ninho, um miúdo o destruíu todo com uma vara tão comprida que alcançou o telhado. O casal ficou apavorado pois já devia estar muito próximo do dia em que a mãe passarinho iria pôr os ovos.
Entretanto, sem parar para pensar, os dois apenas se entreolharam depois de verem melancolicamente o ninho espalhado no chão e voaram a toda velocidade para os quatro cantos do campo para recomeçar outro, antes que o prejuízo fosse maior.
A mãe passarinho já não tinha tantas forças a despender pois estava um pouco mais pesada. Ele disse-lhe com ternura, «descansa meu amor, deixe que eu mesmo acabo de construir a nossa casa e o berço dos nossos filhos». E como já tinha um lado confortável para ela estar pelo menos parada, ele, dia após dia, trouxe os gravetos mais oportunos que pode encontrar, sem se dar conta que não eram os adequados.
Mas ao final de todo esforço, a mãe-passarinho já estava a dar a luz ao seu primeiro ovinho e depois outro e depois outro. Eram trigémeos! Eles não se continham de felicidade. Surpreendentemente ele virou as costas para ela e tirou por debaixo do gravetos tortos um pequenino presente. Uma suculenta minhoquinha para lhe dar coragem.
Viveram ali na sua casinha torta tanto tempo necessário para alimentá-los e criá-los. Mas inoportunamente um dia, o mesmo miúdo atingiu a mãe passarinho com uma pedra. E ela não voltou mais para casa.
O pai passarinho entrou em depressão e morreu de tanta tristeza.
E os trigémeos após reconhecerem a ausência de seus progenitores, descobriram que já podiam voar e procurar seus próprios alimentos, pois se encontravam fortes e saudáveis.
Agora eles já são pássaros adultos e cada um tem a sua família, suas adversidades e contratempos. Aprendem uns com os outros sobre os perigos da vida e passam a sabedoria para todas as gerações.
«VIDA é existência recheada de pormenores com lições, por vezes difíceis, para nos fazer poderosos!»

2 comentários:

Márcia disse...

PERFEITO AMIGA..LINDO, SENSIVEL..IMPRESSIONANTE COMO TENS UM OLHAR DIFERENTE, SUAVE PRA AS COISAS COMUNS, QUE MUITAS VEZES NÃO PERCEBEMOS...ÉS VERDADEIRMENTE UMA ESCRITORA...
PARABÉNS

Criado por JOICE WORM disse...

Obrigada Márcia, sabes bem que a sensibilidade e beleza sai de dentro para fora e normalmente modifica-se de pessoa para pessoa. E como és toda bonita, por dentro e por fora, conseguiste captar o essencial. Obrigada por tuas palavras.