terça-feira, 28 de outubro de 2008

Abre Aspas

Com 1 dia de atraso da Blogagem coletiva em homenagem à poesia e poetas,
realizado por ACQUA de Lunna,
meus suspiros vão para VINÍCIUS DE MORAES


Eu não existo sem você

Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste
Por isso, meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos
Me encaminham pra você
Assim como o oceano
Só é belo com luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
Eu não existo sem você


O poeta dispensa comentários por ser um dos expoentes máximos da poesia contemporânea, mas posso aqui deixar mais palavras dele...

Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos...

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido...
Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...
Hoje não tenho mais tanta certeza disso.

Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Podemos nos telefonar... conversar algumas bobagens.
Aí os dias vão passar... meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!!
Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!
A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...

Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos...
Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante.
Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado... E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo
: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores... mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!!

17 comentários:

Ilaine disse...

Ah... Vinícius!
Simplesmente maravilhoso. Eterno!

Beijo

acqua disse...

Bom dia, que delícia encontrar Vinicius e olha, quando ao atraso, pense da seguinte forma, vocês estão espalhando poesias pela terça e não apenas pela segunda-feira. E isso é maravilhoso.
AH! Eu adoro Vinicius, mas sempre achei que ele escrevia sobre um amor que ele desejava para ele, mas que nunca teve. Ao contrário do Tom que o descobriu ao dizer "é impossível ser feliz sozinho" acho que isso sim doía neste homem ímpar.
Grata pela sua participação. Abraços meus e uma excelente semana...

tossan disse...

Que coisa linda! Bj

Dauri Batisti disse...

Bela escolha Joice."Assim como viver sem ter amor não é viver".

Beijo.

Vanessa disse...

Olá Joice, excelente escolha para a coletiva. Lindo poema e seu texto tb.

Abraço

Jacinta Dantas disse...

Bonito demais, mulher. Eu adorei participar dessa blogagem.
Beijos

Antonio saramago disse...

Sra.Escritora,isto está demais!!!!

caurosa disse...

Oi Joice Worm, que grande lembrança, o nosso grande e genial "poetinha".
Adoro o seu belo trabalho feito para as crianças, "A Arca de Noé", belas poesias musicadas que fala dos bichos e das coisas:

Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não se podia/entra nela não
Porque na casa/não tinha chão
Ninguém podia
Dormir na rede
Porque na casa
Não tinha parede
Ninguém podia
Fazer pipi
Porque pinico
Não tinha ali
Mas era feita
Com muito esmero
Na rua dos bobo
Número zero.

Um trabalho alegre e útil para criançada. Só mesmo da cabeça de Vinicius de Moraes.Paz e harmonia para vocês.

Forte abraço.

CAUROSA - caurosa.wordpress.com

Leonor Cordeiro disse...

Concordo com a Lunna: Que delícia encontrar Vinícius por aqui !
Cantarolei essa música milhares de vezes ...rsrsrsrsrs
Grrraannde abraço!

Gui Sillva disse...

Vinicíus é MARA!
e o amor é essencial. em tudo.

bjooooooooo

Jacinta Dantas disse...

Nosso texto já está lá, no florescer.
Adorei sua participação

Madalena Barranco disse...

Querida Joyce,

Vinicius é demais!!! Eu adoro o poeta romântico que fala com tanto empenho do amor. Linda escolha pra o Abre Aspas!

Beijos.

mundo azul disse...

Vinicius é tudo de bom!!!

Muito bem escolhidas as palavras do Poetinha... A música é maravilhosa e o texto...Nem se fala!


Beijos de luz e que Deus a abençoe...

MamaNunes disse...

O velho e bom Viníciu sempre digno de homenagens! Parabéns pela escolha.
bjs
Ah. vim pelo link da Alice hehehe

Assim que sou disse...

Sabe, Joice, o poetinha é autor de um dos mais belos textos que já pude ler sobre ser amigo. Te escrevo agora e não tenho ele em mãos, mas prometo te enviar amanhã. É de uma pureza e entrega com o qual me identifico porque...sim, cuido com carinho dos meus amigos.
E alguns deles estão em um terreno tão glorioso e especial na minha vida que sei que seria muito pior sem eles. Foi bom demais ler Vinicius por aqui hoje. bjs. Veronica

João Videira Santos disse...

O tempo passa...

Olho para trás e estou a vê-lo numa das muitas vezes que veio a Lisboa...

Cabeleira farta e branca, cigarro numa mão, copo-da-sua-bebida na outra e de voz corrente, debitando conversa gostosa...

Vinicius? Conheci!

C3-PO disse...

Eu nem tenho palavras. Que belo post!
Que palavras tão verdadeiras e sábias. Lindo

Beijinhos grandes