terça-feira, 17 de junho de 2008

Aos meus cristais

Conhecer-se a si mesmo.
(Artigo que postei em http://euvoscompreendo.blog.com )

Tenho trabalhado e estudado junto à pessoas que sofrem de atenção, carinho, amor e principalmente, de um incômodo terrivel por não ter sido "nada" na vida. Mas aquele "nada" profissional... E nesta hora, fatídica, é que coloca-se a mão no coração e chora-se.

As nossas insatisfações começam a partir do momento em que não nos sentimos úteis na sociedade. A partir do momento em que nos cresce a vontade de viajar e ter uma vida de qualidade e concluímos que o salário que temos, não dá sequer para sonhar. E assim, este bichinho começa a crescer em nossa mente e a exigir mais e mais... Passamos os problemas para nosso tipo de trabalho, para a qualidade de amigos que temos, para a nossa família, para nosso companheiro, nossos filhos, e por úlitmo, para nós mesmos.

A insatisfação cresce ao mesmo tempo que alimentamos o "bichinho". Passamos mais horas a relembrar do que "não" fizemos, do que a fazermos "algo" que realmente venhamos a modificar a nossa situação actual.

A única maneira de reparar este erro, é deixar de pensarmos em mal dizer dos tempos passados e olharmos para o presente. Procurar a maneira mais agradável de começarmos outra vez, dentro das nossas necessidades e possibilidade. Fazermos coisas que se encaixem com a nossa idade, mesmo que avançada, e tentar nos realizar a partir deste novo intento. Não será impossível, porque agora, já sabemos "da missa, um terço". E nos conhecemos mais do que nunca!

Que assim seja!

9 comentários:

Assim que sou disse...

Oi, Joice,

Depois de uma semana inteira de silêncio, voltei ao blog. E postei um novo texto que, de certa forma, fala sobre esse tema. O recomeçar nem sempre é refazer. Talvez só repensar, redescobrir, reconstruir. Um dia assim prá não esquecer, prá estimular, prá reconstruir nossa história.
Porque não?

bjs. Veronica

Só Eu disse...

Gostei (afinal já é costume...) deste texto.
Gostava de trabalhar para causas nobres, como tu fazes.
Mais um beijinho

JOICE WORM disse...

Assim que sou,
Já passei lá e constatei que realmente estivemos em sintonia. Ainda bem. Me sinto bem quando isto acontecesse. Melhor ainda foi você ter voltado. Bem haja!

JOICE WORM disse...

Só eu,
(é engraçado lhe chamar assim, como também "assim que sou"...).
As causas nobres andam aí em cima da mesa. E cada um que passa por elas podem utilizá-las. Não há ciência, só oportunidades. Crea-me.

Camilla Tebet disse...

Ô Joice, que bonito e que verdade. Mas nem sempre é fácil lembrar que o ontem, por pior que tenha sido é o que nos faz hoje, é nossa história, é pedaço de nós. Mas um presente de experiencias é um futuro de realizações não é? E que bom ter almas alegres como vc que nos lembram disso.
beijos e boa sorte nesse trabalho que parece muito humano.

Pena disse...

Simpática Amiga:
Olhe, já fez tudo o que havia fazer no seu maravilhoso e encantador coração. A forma como sente, vive e está são admiráveis de beleza e fascínio.
Foi um momento maravilhoso por ter passar aqui.
Bem-Haja, linda amiga.
O que refere é profundo e existe na imensa significação doce e magnífica do ser humano de sonho que deve ser.
OBRIGADO pela simpática visita.
MUITO OBRIGADO sincero.
Beijinhos de amizade, estima, consideração e imenso respeito

pena

Bina disse...

Passando aqui pela primeira vez, e concordo com cada palavra!

Abraços.

xistosa - (josé torres) disse...

Não devemos lamentar o passado ... acabou.
Vivemos o presente e por esse é que temos de lutar.
Podemos sempre pensar em recomeçar ... será mais difícil, há filhos, marido, outras obrigações e a atenção dispersa-se por problemas reais.
Não lamente o que não foi ou não é.

JOICE WORM disse...

Camila, Pena, Bina,
Obrigada por me encorajarem em continuar a ouvir e a dar a mais completa atenção a quem me rodeia no trabalho. Cuido de pessoas idosas, mas há sempre mais pessoas com vontade de conversar um bocadinho para aliviar as tensões, e eu estarei sempre presente, até quando Deus quiser. Esta minha atitude me preenche inteirinha.

José Torres,
Como pode dizer que os seus 61 anos já se acabaram e passou?... Tanta experiência deves ter tido nesta vida, amigo. Não interprete viver o presente com o esquecer o passado. Como diz a Camila e muito bem, "é a nossa história".
Lamentar o que não foi ou o que não é... às vezes impulsiona a vontade de crescer. Nós só temos é que ajudar a que a pessoa oriente-se melhor no dia a dia, para que as lamentações não sejam constantes. Tudo deve ser feito com calma nesta vida...

Um forte abraço!