domingo, 3 de junho de 2007

A Lagarta

Encontrei uma lagarta tagarela no jardim. E parei para escutar:

«Eu nasci lagarta. Sou feia demais. Viscosa, gorda e lenta. Geralmente me alimento vorazmente. Sou gulosa. E por este motivo posso atingir um tamanho maior do que 10cm. Eu gosto mais dos frutos, minhas irmãs, gostam mais das folhas, por isso somos todas uma verdadeiras pragas no jardim, mas temos que sobreviver. De qualquer forma, algumas primas, fazem um casulo de seda e muita gente se aproveita para fazer roupa, sem se falar que até as comem coitadas...»
E a lagarta enquanto comia não parava de falar. E tampouco percebia a transformação que já se fazia na sua estrutura. Passou por toda a experiência de vida sem valorizar um só momento.
Cresceu-lhe umas asas enormes e coloridas nas costas. E ela continuava a falar...
«Ai que linda que estou. Duvido que haja alguma lagarta tão bonita quanto eu. Aliás se existir, com certeza é porque copiou a minha belezura. Não vou mais comer frutos, vou é sair por aí e conhecer o mundo. Ninguém me seguirá, porque eu voarei tão alto e tão longe que ninguém poderá me alcançar...»
E lá foi ela toda vaidosa, só e orgulhosa. Voou tão alto que mal se via, depois no fim do dia, chegou cansada. Pousou em uma folha pequenina, não aguentou nem abrir a boca... Suspirou e morreu.
...
Há uma moral nesta história de lagarta-borboleta. Mas cada um aplica como quiser. A moral é sempre nossa e é moldada pela forma como vivemos. Mas com certeza há uma moral comum.

2 comentários:

la chica maravilla disse...

Olà! Sí, sí aprobé el comentario y también el nuevo y yo lo puedo ver, tú no? Pues no sé qué he hecho pero claro que lo aprobé!
Muchas gracias por visitar mi página otra vez!
Beijos,
Caro

No Limite do Oceano disse...

"A moral é sempre nossa e é moldada pela forma como vivemos".

Pego nas tuas palavras e faço delas um rio, porque os rios nunca estão parados, a corrente leva sempre o bom e o mau com ela...portanto a moral está nesse mesmo rio.
As nossas atitudes perante a vida estará no reflexo sempre que no rio tentarmos ver quem somos...a moral é precisa, é pena que aja tantas lagartas neste mundo mais seco :-)

*Hugs n' smiles*